Inline
terça-feira, fevereiro 19#SoumaisoPolêmico

Médicos Cubanos vendem espetinho no Pará

Após o fim do acordo entre o Brasil e Cuba no programa Mais Médicos, profissionais cubanos que pediram asilo estão desempregados. Para ganhar dinheiro, eles vendem comida e trabalham em supermercados.

Médicos cubanos estão vendendo churrasquinho nas ruas de Itaituba depois de serem dispensados do programa Mais Médicos.  — Foto: Sulene Oliveira/ Arquivo pessoal

Médicos cubanos estão vendendo churrasquinho nas ruas de Itaituba depois de serem dispensados do programa Mais Médicos. — Foto: Sulene Oliveira/ Arquivo pessoal

O médico cubano Humberto Soto Armand foi enviado ao Pará em 2014 para atuar pelo programa Mais Médicos do Governo Federal. Há dois anos, ele se apaixonou e casou com a professora brasileira Suleni Oliveira em Itaituba, onde o casal se conheceu e mora, no sudoeste do estado. Mas, atualmente, eles vivem incertezas diante da falta de posicionamento do governo em relação aos cubanos que decidiram ficar no país após o fim do acordo entre Brasil e Cuba. Sem emprego, Humberto e outro colega cubano estão vendendo churrasquinho na rua para sobreviverem.

“Eles dois ganham em torno de R$ 200 a R$ 300 por dia com a venda de espetos. Sou efetiva e com ele vendendo os espetos, dá pra gente se manter até ele fazer o revalida”, explica Suleni, sobre o futuro profissional do marido.

Antes de precisar trabalhar com churrasquinho, Humberto atuava nas aldeias do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Tapajós, que ficam distantes três dias da sede do município de Itaituba. A maioria dos médicos cubanos contratados pelo Mais Médicos atuava em localidades de difícil acesso.

“Nossa preocupação é que não tem o edital do Mais Médicos para profissionais com diploma estrangeiro, já foi adiado duas vezes. Isso deixa muita insegurança com todos, sem perspectiva, alguns deixaram a família em Cuba, não podem trabalhar.A prova do revalida será só em outubro e até lá eles vão ter que trabalhar em outra função”, afirma Suleni.

Médico cubano Humberto Armand se casou com a professora brasileira Sulene Oliveira. Atualmente, ele precisa vender churrasquinho para tirar o seu sustento no Pará — Foto: Sulene Oliveira/ Arquivo Pessoal

Médico cubano Humberto Armand se casou com a professora brasileira Sulene Oliveira. Atualmente, ele precisa vender churrasquinho para tirar o seu sustento no Pará — Foto: Sulene Oliveira/ Arquivo Pessoal

Em situação semelhante a de Humberto, estão outros médicos cubanos que atuavam no programa no interior do Pará. Eles relatam que em novembro, com o fim da parceria entre os governos brasileiro e cubano, decidiram ficar no Brasil com a promessa de asilo e oportunidade de trabalho.

“Após aquela briga com Cuba, os médicos tinham que voltar ao país. Mas, o Bolsonaro [presidente] foi para a televisão e disse que quem ficasse no Brasil, ele iria dar asilo e ia continuar no Mais Médicos. Aqui em Itaituba, nove ficaram para correr o risco. Eles estão desertados de Cuba, proibidos de voltar por oito anos. Esse é o desespero deles. Estão todos desempregados, se virando aqui para poder se manter no município”, relata Suleni, que devido o casamento com um cubano, é próxima dos médicos estrangeiros.

Os médicos cubanos estão trabalhando no supermercado embalando compras, vendendo churrasquinho, alugando cama elástica para festas infantis. “Eles estão sem assistência nenhuma. Um desses médicos, com a esperança de conseguir asilo e trabalho, trouxe também a esposa de Cuba, que também é médica. Ele veio foragido, praticamente”, conta ainda a professora.

“Eu moro em casa alugada com a esposa, estou vendendo espetinho pois tenho contas a pagar e outras necessidades a satisfazer. Espero que o governo mantenha a proposta de campanha, de nos manter no programa trabalhando. Acho que o Brasil precisa de nosso serviço no atendimento das populações mais carentes e necessitadas e nos temos a vontade de contribuir ao bem estar e saúde do povo brasileiro , que é nosso povo também”, afirma Humberto.

Vagas não preenchidas por brasileiros

Médicos cubanos trabalhavam em aldeias indígenas de difícil acesso.  — Foto: Arquivo pessoal

Médicos cubanos trabalhavam em aldeias indígenas de difícil acesso. — Foto: Arquivo pessoal

programa Mais Médicos foi dividido em etapas e contemplou, primeiramente, médicos brasileiros com registro no Conselho, o CRM; médicos brasileiros formados no exterior; e somente depois, médicos estrangeiros. Mas, ainda não há uma definição específica sobre os médicos cubanos, já que eles ainda não têm o Revalida.

A diretora operacional da Secretaria Municipal de Saúde de Itaituba, Greice Fernandes, explica que as vagas deixadas pelos médicos cubanos ainda não foram preenchidas por brasileiros, que desistem após tomarem conhecimento da distância até o local de trabalho.

“Nós tínhamos cinco vagas e só uma foi preenchida, na época do edital para médicos com CRM. Ele está lotado na comunidade Campo Verde, distante 30 km da sede. Todas as outras vagas foram preenchidas, mas quando eles perguntaram onde era, desistiram por causa da distância. Estamos com cinco áreas garimpeiras e ribeirinhas descobertas”, afirma a diretora.

Para Greice, os médicos cubanos estão fazendo falta no município. “A gente sabe que os brasileiros não vão optar por essas comunidades, todos que escolheram, quando souberam da distância, abriram mão”.

Distritos indígenas

As aldeias indígenas também estão sem cobertura médica desde a saída dos cubanos. “Tínhamos 11 médicos pelo Mais Médicos e mais dois pela conveniada e ficamos somente com um médico, para atender os Kaiapó, em Novo Progresso. Os Munduruku de Itaituba e Jacareacanga estão sem assistência. O enfermeiro avalia e, se for caso, eles referenciam para o município. É ruim, porque o médico atendendo dá mais atenção, medicamentos, em alguns casos, conseguiam controlar na aldeia mesmo”, conta Samira Cunha, responsável pelo programa Mais Médicos do Dsei Tapajós.

“Estamos esperando dar andamento no cronograma dos Dseis do município. Já teve um edital, dessas 11 vagas, cinco se inscreveram, mas nenhum se apresentou… Além da distância, tem a escala de passar 20 dias dentro, em área, e 20 dia fora”, explica Samira sobre as desistências de brasileiros para atuarem nessas localidades do Pará.

Médico cubano que atuava em aldeias indígenas está desempregado e aguarda nova oportunidade no Mais Médicos — Foto: Arquivo Pessoal / Miguel Martinez Elias

Médico cubano que atuava em aldeias indígenas está desempregado e aguarda nova oportunidade no Mais Médicos — Foto: Arquivo Pessoal / Miguel Martinez Elias

Um dos médicos cubanos que trabalhava desde 2017 com os indígenas era Miguel Angel Martinez Elias, de 29 anos. Casado e com a mulher grávida, ele espera poder voltar a trabalhar na profissão.

“Minha aldeia fica a 3 dias em voadeira depois de Jacareacanga, zona de muito difícil acesso. Trabalhar aqui é muito difícil. Eu fiquei no Brasil porque me apaixonei pelas possibilidades que o novo governo expressou que daria para nós, médicos humanitários”, disse Miguel.

O médico relata que deixou pra trás família e tudo o que construiu em Cuba.”Só tenho que confiar em Deus, que ele tenha misericórdia de todos os médicos cubanos que estamos aqui com desejos de trabalhar e ajudar a salvar vidas de este povo irmão que necessita tanto de nosso bom trabalho”, lamenta ainda Miguel.

Miguel e Humberto são amigos e juntos tem enfrentado essa fase de incertezas vendendo churrasquinho na rua. “Tantas pessoas doentes precisando de um médico e aqui tem dois vendendo espetos”, desabafa.

Fonte: G1

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *